O número de venezuelanos que solicitaram refúgio em Roraima cresceu 22.122% nos últimos três anos, revelam dados divulgados pela Polícia Federal no estado. Só no ano de 2016, mais de 2 mil venezuelanos foram à sede da PF em Boa Vista  para pedir a condição de refúgio.

A Polícia Federal diz que em 2014 foram só nove solicitações, enquanto que em 2015 o índice foi para 230 e chegou a 2.230 em 2016. O aumento no número de pedidos coincide com o agravamento da crise econômica no país governado por Nicolás Maduro.

Neste ano, o índice de solicitações ainda deve dobrar: até março a PF já tinha agendado 4 mil atendimentos de pedidos de refúgio até outubro. A polícia diz que quase 100% desses agendamentos foram feitos a venezuelanos.

O refúgio é uma proteção legal para estrangeiros que sofram perseguição em seu país de origem por motivos de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas, ou ainda, que estejam sujeitos à grave e generalizada violação de direitos humanos.

Segundo a PF, apenas cinco das 2.230 solicitações feitas em 2016 foram analisadas e arquivadas pelo Comitê Nacional para os Refugiados (Conare), que decide pela concessão ou não do refúgio. O G1 tentou contato com a assessoria do comitê, mas não obteve retorno.

Os números são fiéis à realidade. Na sede da Superintendência da Polícia Federal em Boa Vista as filas de venezuelanos são diárias e começam logo nas primeiras horas do dia.

Família foi à PF solicitar refúgio em Roraima: 'Na venezuela não tem comida', dizem (Foto: Emily Costa/ G1 RR)Família foi à PF solicitar refúgio em Roraima: ‘Na
venezuela não tem comida’, dizem; eles não
quiseram se identificar por medo se serem
reconhecidos (Foto: Emily Costa/ G1 RR)

A polícia estima que até 70 estrangeiros compareçam por dia na unidade no intuito de fazer o pedido. Desses, 98% são venezuelanos que querem ficar no Brasil.

Na quinta-feira (8) às 7h, já era possível ver mesmo de longe um extenso grupo de venezuelanos à espera da abertura do portão da sede da polícia, que ocorre só às 8h.

Às vezes, famílias inteiras vão ao local para solicitar o refúgio. Nos relatos deles, a crise econômica e a consequente falta de comida na Venezuela são fatores comuns.

 

FONTE :G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here